5 de setembro de 2013

Os perigos que rondam o casamento



O que um casal deve fazer para se prevenir dos perigos que rondam o casamento. Na vida conjugal moderna, o casamento de longo prazo está cada vez mais raro. As pressões são descaradas no sentido de se trocar de parceiros e parceiras. Vemos casos de maridos já de certa idade sendo pressionados para conseguir “algo melhor” porque suas esposas já não são tão jovens, nem tão “sexy”. Na vida, há situações que nos chamam e nos desafiam a uma batalha feroz. A luta para proteger o casamento, o compromisso conjugal e a fidelidade é uma delas. Hoje em dia, para fundamentar a decisão de envelhecer junto, o casal precisa planejar
uma estratégia. Ao contrário de seguir as tendências da sociedade contemporânea, vamos planejar como proteger nossos casamentos. “Portanto, o que Deus uniu, ninguém separe” (Mateus 19.6). Para nos ajudar a atingir este imperativo dito pelo próprio Jesus, podemos usar nossas cabeças e identificar, na Palavra, diretrizes e sugestões para proteger nossos relacionamentos conjugais. Vamos ver Provérbios, capítulo 5 a 7:

Faça de seu casamento uma relação divertida e exclusiva

“Beba das águas da sua cisterna, das águas que brotam do seu próprio poço. Por que deixar que as suas fontes transbordem pelas ruas, e os seus ribeiros pelas praças? Que elas sejam exclusivamente suas, nunca  repartidas com estranhos. Seja bendita a sua fonte! Alegre-se com a esposa da sua juventude. Gazela amorosa, corça graciosa; que os seios de sua esposa sempre o fartem de prazer, e sempre o embriaguem os carinhos dela” (Provérbios 5.15-19).
“Fuja da infidelidade e da imoralidade sexual! É ilusório achar que um homem pode comprar uma revista erótica e dizer que só lerá a entrevista”
Esta passagem não deixa dúvidas de que uma boa maneira de proteger a
fidelidade conjugal é ambos se divertirem, embriagando-se em carícias um com o outro.
O maior problema dos casais, especialmente nos grandes centros urbanos, é a falta de tempo para cuidar de seu relacionamento. Por isso, a vida sexual fica monótona. Quando a insatisfação se instala, ficamos vulneráveis a qualquer pessoa que pareça nos compreender. Muito triste, mas verdadeiro, é o fato de que, além de nossa própria cobiça, o Diabo não mede esforços em sua luta para destruir as famílias e os lares.

Faça um compromisso com a fidelidade mental

“Eles o protegerão da mulher imoral e dos falsos elogios da mulher leviana. Não cobice em seu coração a sua beleza, nem deixe seduzir por seus olhares, pois o preço de uma prostituta é um pedaço de pão, mas a adúltera sai à caça de vidas 3 preciosas. Pode alguém colocar fogo no peito sem queimar a roupa? Pode alguém andar sobre brasas sem queimar os pés?” (Provérbios 6.24-28). Estes versículos declaram que o caminho da fidelidade conjugal passa pelos sentimentos e pensamentos. Não posso deixar de destacar a importância da disciplina da leitura bíblica e da oração diária, assim como o cuidado com relacionamentos com pessoas do sexo oposto. Tiago 1.14 adverte que o pecado tem início em nossas mentes e em nosso coração. Pensamentos, flertes, literatura sexualmente sugestiva e pornográfica estimulam a infidelidade e a imoralidade sexual. Fuja delas! É tão ilusório achar que uma criança pode entrar na confeitaria e sair sem comer nada quanto um homem adulto comprar na banca uma revista
erótica e dizer que só lerá a entrevista!

Não corra riscos desnecessários

Em Provérbios 6 e 7, encontramos um homem fraco e insensato ouvindo as
sugestões da mulher adúltera. Ele: 1. Parou na praça ou na rua onde estavam as prostitutas 2. Permitiu que uma delas o beijasse 3. Ouviu suas ofertas 4. Foi seduzido pelas palavras daquela mulher e... Pronto! “Imediatamente ele a seguiu como um boi ao matadouro, ou como o cervo que vai cair no laço” (Provérbios 7.22).
Quando os outdoors, as propagandas da televisão (mesmo em horários familiares) e a mídia, em geral, despejarem tentações à infidelidade, podemos meditar nas palavras de Paulo a Timóteo, seu filho na fé: “Fuja dos desejos malignos da juventude e siga a justiça, a fé, o amor e a paz com aqueles que, de coração puro, invocam o Senhor” (2 Timóteo 2.22). O que podemos fazer, como casais, para  evitar os riscos que nos empurram à infidelidade? Bem, cada pessoa vive em um contexto diferente, as áreas de vulnerabilidade variam, mas vou falar sobre o que eu faço para me ajudar neste aspecto.

Mandei colocar um vidro na porta do meu escritório para me proteger das
ciladas de Satanás quando estou aconselhando uma mulher

Não aconselho pessoas após o fim do expediente do escritório e depois de
os funcionários terem ido embora

Não aconselho mulheres em suas casas, a não ser na presença de seus
maridos.

Não viajo sozinho com mulheres, a não ser com a minha.

Lembre-se das avassaladoras conseqüências da infidelidade:

Entristece o Senhor Deus que nos redimiu

Arrasta o sagrado nome de Deus à lama

Segue o mesmo caminho daqueles que se tornaram desqualificados para oministério por terem caído em imoralidade

Impõe uma dolorosa ferida

Faz desaparecer o respeito e a confiança

Machuca também os filhos, causando-lhes vergonha e dor.

Destrói todo o exemplo que dá credibilidade junto aos filhos, anulando a
possibilidade de ensinar-lhes os preceitos de Deus.

Cria o risco de a esposa ou o marido não conseguir perdoar

Aniquila o respeito próprio

Incute um terrível sentimento de culpa: Deus perdoa, mas muitas vezes a
pessoa não consegue se perdoar.

Gera marcas que podem prejudicar o relacionamento com o cônjuge Que
preço terrível a ser pago pela infidelidade! Será que vale a pena? A
resposta, definitivamente, é “não”!
Devemos nos conscientizar de que o perigo é real e nos armar de forças para construir as cercas de proteção ao nosso redor e ao redor de nossas famílias. “O casamento deve ser honrado por todos; o leito conjugal, conservado puro; pois Deus julgará os imorais e os adúlteros” (Hebreus 13.4).

Pastor Jaime Kemp
Fonte: Revista Lar Cristão

Um comentário:

  1. A paz de Cristo,veja meu blog:willian bugiga e o site:www.convertidos.com.br
    fique na paz.

    ResponderExcluir

aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que jorre para a vida eterna.
João 4:14

E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida.
Apocalipse 22:17
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

whos.amung.us